6 de maio de 2013



Você queria mudar o mundo e parar o tempo.
 É, todo mundo quer.
Mas acabou construindo as mesmas coisas, 
essa série de clichês adultos!

Enquanto meu corpo se diverte,
 eu sei que minha cabeça está em apuros.


3 de maio de 2013



                   Meu coração, minha cabeça, meus braços andam cansados de querer coisas. Não é desejar coisas que me comove, mas não saber do que será. Querer, um dia a gente consegue. Não saber é entregar a emoção à primeira tormenta. Não saber um futuro, não saber um nome, não saber uma esquina, não saber um perfume, não saber um fim.

Gabito Nunes

2 de maio de 2013



Aí você começa a desconfiar que ele poderia ter sido o cara legal da sua vida.
Isso, se você sentisse a mesma paixão, se você conseguisse entregar sua alma tanto quanto, se você soubesse amar ele do mesmo jeito e intensidade que ama a falta que agora ele te faz.


Gabito Nunes

9 de abril de 2013


Sempre tem gente pra chamar de nós
Sejam milhares, centenas ou dois
Ficam no tempo os torneios da voz
Não foi só ontem, é hoje e depois




São momentos lá dentro de nós
São outros ventos que vêm do pulmão
E ganham cores na altura da voz
E os que viverem verão!


Marcelo Jeneci




"Eu fui, você sabe, eu mesmo, e isso seria ótimo, se eu fosse outra pessoa."

Gabito Nunes

26 de fevereiro de 2013

25 de fevereiro de 2013



Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.
(...)
No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

20 de dezembro de 2012

-



"O que mais me assusta é o teu jeito de olhar
De me ignorar
Toda em tons de azul
Teu ar displicente invade meu espaço
E eu caio no laço exatamente do jeito
Um crime perfeito
It's all right, baby blue
(...)
Será que não chega, já estou me repetindo
Eu vivo mentindo pra mim
Outro sim, outra "trip", outro tchau
Outro caso banal, tão normal, tão chinfrim"

(Ás vezes - Tulipa Ruiz)

22 de novembro de 2012




"Ausente o encanto antes cultivado
Percebo o mecanismo indiferente
Que teima em resgatar sem confiança
A essência do delito então sagrado
Meu coração não quer deixar
Meu corpo descansar
E teu desejo inverso é velho amigo
Já que o tenho sempre a meu lado
Hoje então aceitas pelo nome
O que perfeito entregas mas é tarde
Só daria certo aos dois que tentam
Se ainda embriagado pela fome
Exatos teu perdão e tua idade
O indulto a ti tomasse como bênção
Não esconda tristeza de mim
Todos se afastam quando o mundo está errado
Quando o que temos é um catálogo de erros
Quando precisamos de carinho
Força e cuidado
Este é o livro das flores
Este é o livro do destino
Este é o livro de nossos dias
Este é o dia de nossos amores."

Renato Russo



19 de novembro de 2012



"Ela faz essas coisas de pagar a própria conta e mandar recados ousados a desconhecidos, mas no fim ela sempre se ferra."

Gabito Nunes

10 de agosto de 2012

Cores, colagens, sons, emoção!



Quem sabe com ela
Eu teria as tardes
Que sempre me passaram
Como miragens, como invenção!

Se eu não posso ter
Fico imaginando
Eu fico imaginando

....

Quem sabe com ela
Eu veria as tardes
Que sempre me faltaram
Como miragens, como ilusão!

(Ali - Skank)

24 de julho de 2012




                Se tem uma coisa que eu sei nesse mundo é de mim. Me conheço. No meu corpo tem cromossomos de uma zebra africana. Estou sempre fugindo dos leões. Algumas pessoas escolhem ser livres. Outras não têm chance de escolha, apenas são. E nunca mudam, mesmo que queiram. 
               (...)
            O que você está olhando? Até parece que nunca viu um covarde respirando antes. O que pesa, a grande diferença, é que você é daquelas pessoas que precisam de segurança, de lastro, de sentido, precisam de qualquer maneira ser feliz. Eu não. Sim, isso existe, é possível. Não sei lidar direito com as emoções. É só olhar diretamente para a luz calorosa do sol e meu corpo já responde com um espirro. Não vou entrar em detalhes ou dar satisfações. É uma longa história. Minha alma não tem a idade que aparenta.




Gabito Nunes

5 de julho de 2012

9 de maio de 2012



Não, eu não estou à venda.
Eu não quero saber onde você mora. Desde que você saiba o caminho da minha casa. 
Eu não quero saber quanto você ganha. Quero saber se ganha o dia quando está comigo.

Brena Braz